Garimpando Sonhos

A razão ao peito se cala
Meu coração vive em memórias
Vou narrando no mudo minha fala
repensando impensadas histórias
Vejo de longe, sentindo de perto
Merecendo o que me foi reservado
lembranças traduzem meu livro aberto
faltando verdades, sobrando pecado
Abdiquei de uma vida por capricho
Aventurado gosto doce da ilusão
me desfiz das jóias, apeguei-me ao lixo
garimpando mentiras encontrei diversão
Sigo a tragédia do prazer desregrado
Entendendo a falta que a falta me faz
Fechei seus olhos, ocultando o culpado
Não julgue meu sonho, nem o que ele traz

Breno Massena

Você também pode gostar de ler ou ouvir:

Marcelo Jeneci | Maglore | Sobre Canecas e Chá

Aquela Noite

Entre em minha mente

Sorria em meus sonhos

Complete minhas lembranças

Envolva o passado

Nosso destino não se repete

Nosso destino não se repete

Eu não pertenço a esta noite

Estou tão distraído para dançar

Você não me pertence esta noite

É apenas a sua ajuda

Lembre da chuva aquela noite

Entre em minha mente

Sorria em meus sonhos

Complete minhas lembranças

Envolva o passado

Nosso destino não se repete

Nosso destino não se repete

Nosso destino não se repete

Nosso destino não se repete

Que tal um pouco de música? Precisamos aqui de um pouco de melodia. Aceita o desafio? Dê forma aos versos do nosso parceiro Frank Poesias e coloque o link nos comentários, ou no blog do autor.

Você também pode gostar de ler e ouvir:

É Demais Pra Mim | Gastropoeticologia | O Rock Acabou

Sonhos e Inquietações

Bem que eu queria não sonhar com seus beijos
pois não tenho eles pra me acalmar quando acordo
Sabe, eu nunca senti em mim algo tão intenso
Sinto seu sorriso… não respiro… quase me afogo
Bem que eu queria não ter me invertido em seus meios
pois agora já nem sei mais como eu volto
Sabe, assim em ti quase que me perco por inteiro
Sinto seu sentido… me inspiro… eu adoro

Em meu sonho passeio por seus versos e por seus lugares
caminhando tranquilo nas inquietações do seu instante
Assim me intrometo nos devaneios breves de alguns outros olhares
E me entendo na poesia discreta mas envolta de seu desejo errante
Mas de repente olho para um lado, para o outro e não vejo seu lugar
aí que me lembro que não me pertence aquele tão intacto olhar
Choro sentido… num pensamento perdido… sem mesmo entender
é mesmo verdade… se meu corpo falasse…ele me pediria… pra te conhecer