She & Him

“She & Him” fazem música para uma eterna primavera, quando a temperatura é quente o suficiente para ir andando com a parte superior da camisa aberta (ou pelo menos as janelas do carro) e o radio ligado. Eles ocupam um universo alternativo onde até mesmo a mais triste das canções nos faz sentir tão quentes como num banho de sol; a chuva pode cair, mas em algum lugar próximo, tudo parece brilhante. O que começou como uma fascinante colaboração sem elos no primeiro álbum “Volume One” de 2008 evoluiu para uma genuína banda, em turnê, e She & Him estão aqui para ficar.  Zooey Deschanel e Matt Ward são um par musical tão compatível como Les Paul e Mary Ford; ouvi-los novamente no “Volume Two” parece uma reunião com dois velhos amigos. Desta vez, as harmonias se transformaram angelicalmente, os arranjos de cordas se tornaram mais dramáticos, a composição mais nítida e confiante. Mas, como em Volume One, o clima predominante é agridoce, lúdico e romântico.

O sucesso do She & Him de Volume One saiu do campo de esquerda, com a parceria aparentemente improvável de Deschanel e Ward – a efervescente atriz e cantora e o ainda discreto guitarrista – provou som absolutamente certo. Com o disco concluído, eles não se anunciam muito; com um simples passo ao microfone, começam a tocar. As escolhas do nome da banda e títulos de álbuns foram deliberadas; como Deshanel falou ao New York Times: “Eu queria um nome que fosse simples, modesto e único”. Matt concorda: “Nós queríamos que a música viesse primeiro, o que explica o nome da banda, bem como os nomes dos discos. As músicas são do que queremos que as pessoas lembrem-se.”

Seu sucesso veio através de seus primeiros shows sob o escrutínio da mídia de Noise Pop e South by Southwest, seguindo essas performances com uma turnê curta de verão e uma aparição no Festival Folk de Newport. Os críticos foram tão cativados quanto seus ouvintes. A pasta chamada “Volume One” é seu álbum do ano. A BBC declarou: “Todos os altos e baixos do romance estão fielmente recriados; o amor, a fidelidade e a variedade de estilos evocando com lágrimas nos olhos o ambiente pop passado.” E ainda, “Os dois parecem estar se divertindo.”

“Nós instintivamente desembarcamos nesse processo ao fazer Volume One”, explica Ward, “que Zooey iria escrever e eu gostaria de produzir e organizar. Tem sido a extensão mais natural dos nossos interesses e habilidades. Usando primeira e segunda voz em conjunto e guitarras tem sido a principal característica de nossa música, e ambos adoramos a utilização de harmonias. Eu penso que as canções prestam-se a estilos de produção que ambos gostamos. Não há necessidade de mudar isso agora, então o processo para Volume Two é extamente o mesmo: Zooey escreve, eu produzo, e ambos trazemos nossas ideias para o estúdio.”

Volume Two foi gravado em Los Angeles (onde ela mora) e Portland, Oregon (onde ele reside). Junto deles para essas reuniões foi o engenheiro, baixista e ocasionalmente ‘cantor de apoio’ Mike Coykendall. Deschanel nota, “Eu faço a maior parte das harmonias, então Matt preenche algum espaço sônico que eu não posso preencher, porque ele tem essa incrivel voz rouca e expressiva. Nós cobrimos campos emocionais diferentes. É uma espécie de ferramenta legal para usar. Eu ouço a voz de Matt aqui ou a minha voz lá. Juntos, conseguimos soar como um monte de gente. Coykendall é um bom cantor também.”

Deschanel declara: “Eu definitivamente gosto mais dos meus arranjos de ‘backing vocal’. Isso é uma paixão pra mim.” A canção de encerramento de Volume Two ilustra sua resolução: “Thieves”, e “If You Can’t Sleep” flutua nas nuvens com ‘vocais mixados’. “Eu acho que nós estávamos um pouco mais confortáveis”, continua ela. “Desta vez tivemos um pouco mais de oportunidade de refletir. Algumas das produções são extremamente complexas. “Home“, por exemplo, é uma peça muito elaborada com ‘production-wise’; que foi a música que mais exigiu tempo de Matt. É magnífico.”

Antes de formar She & Him, Deschanel tinha escrito diversas conções que guardou por anos. Ela concordou em deixar Ward ouvi-las depois que os dois participaram em um cover de Richard e Linda no filme indiano ‘The Go-Getter”, no qual ela atuava e Ward estava gravando. Ward ouviu-a primeiro cantar na tela do comovente filme ‘Elf’ e ficou admirado. Como Deschanel relata: “Eu explorei a ideia de fazer minhas coisas com outras pessoas mas não tinha encontrado alguém realmente confiável. Então encontrei Matt. Ele era a pessoas perfeita, e a única que compartilha o meu gosto. Quase sempre temos o mesmo ponto de vista musical.”

“Eu não tinha ideia do que ia ouvir quando comecei a escutar suas canções”, adimite Ward. “Acho que Volume One surpreendeu muita gente quando eles abriram o pacote e descobriram que ela escreveu todas aquelas músicas. Há uma grande quantidade de pessoas que escrevem músicas para aliviar uma noite escura de sua própria alma, ou para tirar algo realmente pesado de seu peito. Eu não acho que Zooey olha para a música desta maneira, e eu acho que uma grande parte de suas composições vem do desejo de escrever músicas para fazer outras pessoas se sentirem bem. Quando eu penso sobre alguns dos meus cantores favoritos, como Sam Cooke ou pessoas dessa geração, acho que eles viram seu dom como a habilidade de fazer as pessoas se sentirem melhores, sentirem-se felizes. É contagiante estar com pessoas assim.”

“Eu diria que todas as minhas influencias são mais velhas, mais compositores clássicos”, elabora Deschanel, “de Cole Porter e Gershwin para Carole King e Roy Orbison e Bobbie Gentry.” As pessoas sempre esperam que você seja um fã do que está acontecendo agora, mas as coisas que eu gravito em torno são mais velhas e batidas.”

Em Volume Two, suas escolhas de covers ecoam os temas do mateiral original de Deschanel. “Rinding in My Car” do NRBQ foi um hit, e She & Him tem sido inteligente suficiente para lembrar isso. Seu outro cover, “Gonna Get Along ithout You Now”, é um country-pop produzido e elaborado pelo famoso Skeeter Davis. Embora mais conhecido pela melancólica balada “End of the World”, este é uma tranquila despedida – um assunto pessimista tratado de uma forma alegre, contribuindo para o equilíbrio perfeito entre felicidade e tristeza, uma marca de She & Him.

“Eu estou realmente interessado em tentar encontrar o equilíbrio em cada produção”, diz Ward. “Uma das minhas diversões favoritas no estúdio é tentar criar o máximo de contraste entre luz e escuridão que eu puder, para complementar ou ir contra a letra na mistura. Eu acho que eu acredito que boa produção deve ser como uma boa fotografia, que é um grande contraste entre escuridão e luz. Felizmente, Zooey tem muitos personagens e músicas que vão e voltam rapidamente entre esses tons claros e escuros. Isso é metade do processo de produção: a certeza de que nada fica muito claro ou lavado ou que nada fica muito escuro ou desigual. Algumas das melhores canções antigas tinham progressões de acordes e letras muito grandes e realmente tristes. De alguma forma tudo se equilibra, criando esta imagem perfeita da vida. Porque a vida não é sempre ensolarada, não é sempre escura – é basicamente uma mistura disso.”

Adaptado da biografia do site oficial.

Selecionamos algumas das canções, aprecie:

This is Not a Test

Gonna Get Along Without You Now

Riding in My Car