É Carnaval

É Carnaval!

Então, e o que isso tem de bom?

‎”Custei a compreender que a fantasia é um troço que o cara tira no carnaval, e usa nos outros dias por toda a vida.” Aldir Blanc e João Bosco

Com a alegria contagiante que exala meu rosto e o resto de mim, meio como um paradoxo sem reflexo, sem nexo, sem rima, sem fim, tento escrever algo que faça sentido. Pensei em brincar com as máscaras, que todos usamos e tiramos, mas achei uma ideia meio batida, então parti para ignorância, e tentei buscar razões para não se gostar dessa data, mas notei então, que até mesmo eu, um dia já se entregou as mazelas do carnaval. A verdade é que não gostar de carnaval no Brasil, é meio como um havaiano não gostar de ula, ou como um americano preferir bocha  ao beisebol; você é visto meio que como um ET, ou pior, como um ser digno de pena!

Antigamente até que curtia esse feriado, mas com o tempo vai se perdendo a graça em tudo, pois você amadurece! E não, amadurecer não é ruim, é a melhor coisa do mundo! Sinceridade, a mulher é uma obra prima de Deus, e como tal, não deveria se sujeitar a se mostrar como um objeto em trajes minúsculos em uma escola qualquer! Em qualquer outra época do ano, o ato de uma mulher semi-nua andar pela rua é considerado um atentado violento ao pudor e pode ser punido até com a prisão. Mas durante o Carnaval, as pessoas se permitem e acham que tudo está liberado, perdem a noção do bom gosto, se perdem totalmente em suas convicções e se deixam levar pelas ideias propagadas na mídia.

Outra coisa, vamos deixar uma coisa bem clara: samba-enredo não é samba, axé (em sua maioria) não tem letra e funk não tem nada haver com música!

Pra você que como eu prefere um solo de guitarra, um acorde torto ao confete, o Pierrô e a Colombina, separarei cinco sons pra quem não tá nem aí pra festa profana.

Pra começar Miss Celie’s Blues  na voz de Marjorie Estiano pra animar o contexto:

Essa é do Teatro Mágico, pra levantar e balançar o bloco e as estruturas:

Uma da Banda Mais Bonita, pra acalmar os instintos:

Essa é pra quem gosta de viajar, longe, Nave a dentro:

E pra terminar o Samba de Preto do Huaska:

“Tudo o que eu mais queria era pular o carnaval. Tipo acordar amanhã e já ser quarta.” Tati Bernardi

E aí, o que você tem ouvido por aí?

Você também pode gostar de ouvir:

Igor de Carvalho | Maricel IorisIngrid Michaelson

Músicas do Gramofone: Amor Brando

Algo definitivamente diferente! Não que isso seja bom ou ruim! O som dessa baiana criada no Recife é totalmente fora dos padrões e dos sentidos normais pra falar de amor ou qualquer outro sentimento. Karina Buhr surpreende a cada acorde ou nota, não pela voz, que é realmente intuitiva e altamente marcante, mas por suas composições estranhas e chamativas! Um bom som pra quem gosta de inovar e ouvir outros ventos.

Chega de conversa e vamos logo ao que interessa:

Amor Brando

Composição:  Karina Buhr

Eu já sinto um calor de amor
Quando você chega aqui
Tava tudo tão facinho, no rasinho
E eu sem me dar conta
Assim fui indo
Agora sinto um calor de amor
Quando você chega aqui
E eu te peço que
Se aproxime de mim um pouco
Mas não tanto
A ponto de eu sentir sua falta
Quando você for embora

 

Você também pode gostar de ler e ouvir:

Huaska Kate Nash | O Teatro Mágico

Músicas do Gramofone: Ana e o Mar

Ana e o Mar

O Teatro Mágico

Composição: Fernando Anitelli

Veio de manhã molhar os pés na primeira onda
Abriu os braços devagar e se entregou ao vento
O sol veio avisar que de noite ele seria a lua,
Pra poder iluminar Ana, o céu e o mar

Sol e vento, dia de casamento
Vento e sol, luz apagada no farol
Sol e chuva, casamento de viúva
Chuva e sol, casamento de espanhol

Ana aproveitava os carinhos do mundo
Os quatro elementos de tudo
Deitada diante do mar
Que apaixonado entregava as conchas mais belas
Tesouros de barcos e velas
Que o tempo não deixou voltar

Onde já se viu o mar apaixonado por uma menina?
Quem já conseguiu dominar o amor?
Por que é que o mar não se apaixona por uma lagoa?
Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar

Ana e o mar… mar e Ana
Histórias que nos contam na cama
Antes da gente dormir

Ana e o mar… mar e Ana
Todo sopro que apaga uma chama
Reacende o que for pra ficar

Quando Ana entra n’água
O sorriso do mar drugada se estende pro resto do mundo
Abençoando ondas cada vez mais altas
Barcos com suas rotas e as conchas que vem avisar
Desse novo amor… Ana e o mar

Uma Noite Mágica


 “Os opostos de distraem e os dispostos se atraem.”

No sábado estivemos no show do Teatro Mágico em Goiânia! O que posso dizer é que foi algo surpreendente e realmente espetacular! Não é à toa que o nome do álbum é “A Sociedade do Espetáculo”! Ontem comentando com as outras duas mãos que escrevem o blog, disse que em matéria de TM, sou uma espécie de recém convertido, pois acabei de conhecer o trabalho deles, e ainda estou meio que tateando nesse “Mundo Fantástico de Oz” (Osasco) que são as composições e letras dessa animada e empolgante turma.

Sinceramente não vejo ninguém fazendo nada nem ao menos parecido como os raros do TM! Gente feliz, que faz da palavra, do verso, da poesia, do lúdico, da brincadeira e da música uma verdadeira e intensa celebração à vida!

Pra quem não conhece, é uma “trupe” que mistura artes circenses, poesia, música e um monte de outras coisas! Enquanto se está ouvindo a música, acontece algo diferente ao lado: um malabarista jogando chamas, uma menina graciosamente enrolada em tiras de tecido, um palhaço brincando de cantar, fogo, água e tudo mais se confundindo e fundindo em algo único!

As letras são carregadas de sentidos tão amplos quanto intensos, nos desafiando a pensar e compreender coisas que às vezes a gente não dá muito valor, ou simplesmente ignora.

“Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior!”

Para você ter uma ideia das letras segue o vídeo oficial de Amanhã… Será com a letra:

Amanhã… Será?

Se aliança dissipar..
e sentença for só desamor!
a tormenta aumentará!
Quando uma comunidade viva!
Insurrece o valor da Paz,
endurecendo ternamente!
Todo biit, byte , e tera..
será força bruta a navegar,
será nossa herança em terra!
Amanhecerá!
De novo em nós!
Amanhã, será?
Amanhecerá!
De novo em nós!
Amanhã, será?
O “post” é voz que vos libertará.
Descendentes tantos insurgirão.
A arma, o réu, o véu que cairá.
Cravos e Tulipas bombardeiam,
um jardim novo se levantará.
O Jasmim urge do solo sem medo.
O sol reclama no Oriente.
Brada a lua que ilumina.
Rebelando orações e mentes.
Amanhecerá!
De novo em nós!
Amanhã, será?

“Longe da crítica, perto do público”, assim relatou o jornal “Folha de São Paulo” referindo-se ao álbum “O Segundo Ato” elegendo, através de seus leitores, a Cia. Musical e Circense como o melhor show da atualidade no Brasil.”

A música em si, é desafiadora e repleta de alternativas, pois na verdade, é comovente ver algumas das apresentações da banda, ao mesmo tempo que em outras você sorri com aquele sorriso largo que preenche todo o seu rosto e o resto!

“Nesse nosso desbravar, emanemo-nos amor!”

O público é algo à parte, pois o TM, consegue atrair para seus shows, uma mistura heterogênea, que junta ao mesmo tempo em um mesmo local, pessoas das mais variadas idades, classes e ideologias, sem contudo gerar discórdias ou brigas. O que se viu tanto em cima do palco, quanto em baixo, foi uma sintonia ímpar, desafiando qualquer lógica ou idealização, e uma alegria extremamente contagiante!

Fiquei muito feliz, em conhecer mais de perto, toda a complexidade e simplicidade dos versos moldados por Fernando Anitelli que ecoados de forma tão sutil e perfeita, pelos acordes e notas desse grupo de artistas incríveis. No palco Anitelli conta com o apoio de mais 9 músicos e 3 artistas circenses, embora tenham vindo a Goiânia em número menor, e também com o uso de violino, guitarra, baixo, percussão, flauta, Djs, bateria e xilofone.

Se você nunca foi há um show deles, e pretende ir, recomendo infinitamente que deixe seus antigos conceitos sobre música se elevarem a um patamar nunca antes imaginado, que observe e absorva cada segundo das melodias, cada instrumento, cada sorriso seu ao experimentar sensações contraditórias, mas que ao mesmo tempo são perfeitas e realmente memoráveis.

Segue mais um pouco do muito que é “O Teatro Mágico”:

Bem Vindos ao Teatro Mágico

Zaluzejo – veja a letra aqui

De Ontem em Diante – veja a letra aqui

Camarada D’água – veja a letra aqui

Da Entrega – veja a letra aqui

Nosso Pequeno Castelo – veja a letra aqui

Abaçaiado – veja a letra aqui

Você me Bagunça – veja a letra aqui

O Anjo Mais Velho – veja a letra aqui

Pena – veja a letra aqui

O projeto inicial do TM é basicamente uma trilogia; a ideia principal era tratar de temas como a sociedade em que vivemos, preconceito, trabalho… “Eu não vou falar de coisa feia, que coisa feia o tempo todo já tem. Então vou falar de fantasia. Ao invés de falar das coisas que destroem, que machucam, vamos colocar a realidade de uma forma para o povo aprender, para ter informação. Para se mobilizar contra essas coisas. Senão a gente fica também vivendo num país de sorrisos e alegrias quando na verdade não é nada disso. Eu acredito que as nossas ações não podem ser impensadas. O artista tem uma responsabilidade social”, diz Fernando.

Além do CD “A Sociedade do Espetáculo” que mencionei anteriormente, sendo o último até agora, o Teatro conta com “Entrada para Raros”, o primeiro CD, de onde surgiu o apelido de “os raros” para o TM. É um ‘questionar do indivíduo no coletivo, onde o tudo é uma coisa só. Tem a poesia, a brincadeira e o sarau.’
O segundo que se chama “Segundo Ato” apresenta um olhar sobre as coisas urbanas, do dia-a-dia, com bastante realismo, mais preto-no-branco com tons pastéis. O terceiro CD mostra-se como uma mistura de tudo isso.

Para baixar as músicas dos dois primeiros álbuns é só acessar: http://tramavirtual.uol.com.br/o_teatro_magico

Você também pode baixar o novo CD “A Sociedade do Espetáculo” de graça!

O Teatro Mágico é um intenso, indescritível e único acontecimento! Parabéns à “trupe” por ser exatamente assim como é!

Vai prevalecer o artista que tem uma relação honesta com a própria arte, com o seu público.” Anitelli