Músicas do Gramofone: Não Há Nada Mais Lindo

Não há nada mais lindo – Leo Fressato

Não há nada mais lindo
do que amanhecer
num dia de domingo
e lembrar que eu tenho você.

Não te prometo a eternidade
mas dias te ofereço um milhão.
E deixo você com metade
do meu coração.

Meu amor,
Doce é o vento ao te encontrar.
Meu amor,
Como diz Jacques Brel:
Ne me quite pas.

Você também pode gostar de ler e ouvir:
Ashton Lane | Janta | Leo Fressato

Leo Fressato: Os hiatos de um poeta

“Meu amor essa é a última oração,
pra salvar seu coração.
Coração não é tão simples quanto pensa,
nele cabe o que não cabe na despensa.”

 

Pra quem não sabe, em maio do ano passado, esse verso se alastrou de uma forma viral, por redes sociais, blogs e afins, através de um clipe filmado em um final de semana, em um casarão, por vários amigos e conhecidos. Esse clipe descontraído, trouxe para os holofotes uma turma de músicos alegres e de bem com a vida, radicados em Curitiba, mas oriundos de várias partes do Brasil. A música, a qual o verso pertence, é “Oração”, composta e interpretada por Leo Fressato, em uma participação especial, em uma das filmagens da Banda Mais Bonita da Cidade.

Pra quem ainda não viu, ou não sabe do que estamos falando, está aí o clipe:

Ao acompanhar o surgimento e o progresso da Banda Mais Bonita da Cidade, pudemos voltar nossa atenção também para trabalhos paralelos dos integrantes e de músicos e compositores ligados a eles, em especial, Fressato.
Esse ator, compositor, cantor, músico e diretor brasiliense  de cabelos encaracolados é de tamanha singularidade que até nos embaraça as palavras. Sem muitos lugares específicos para ler sobre o dito, procuramos artigos da crítica em geral…

“Há vezes em que um Renato Russo emana no palco, outras em que a acidez de um Ney Matogrosso é sugerida. Suas canções são de uma simplicidade tocante, mas é como se todas formassem um grande círculo repetitivo que ecoa “meu amor, meu amor, meu amor…” (blog do caderno G)

Feito de flores e veias saltadas no pescoço, canta sobre os amores. Dos delicados como veludo aos dolorosos e mal fadados que fazem sangrar a alma. É uma música simples e ao mesmo tempo rica em sentimento e preenchida ao máximo pela mais bela poesia.

Tendo começado a compor aos 14 anos, muitas de suas músicas retratam as próprias experiências. Uma delas, inclusive uma de nossas favoritas, também gravada pela BMBDC é “Canção Pra Não Voltar“. Ao longo de sua carreira, Fressato sempre buscou e atraiu parcerias de músicos talentosos; desde 2004 está em parceria com a cantora e compositora Ana Larousse, que segundo ele, é uma de suas principais e a mais estáveis parcerias até o momento.

Muitas de suas composições parecem brincadeiras simplistas e descompromissadas, como ‘Oração’ e ‘Tan tan’. “Entre folhas de outono e invernos rigorosos brotam flores nas canções do rapaz. É preciso que o inverno passe (e que passe depressa). E, para que isso aconteça, Leo brinca.”

Será que você não irá se esquecer?

Por último, mas não menos emocionante, uma das obras primas desse poeta, que já postamos aqui tempos atrás, mas faz jus à repetição:

Sobre Canecas e Chá

Você também pode gostar de ouvir:

A Balada da Bailarina Torta | Alice | Você Me Bagunça

Músicas do Gramofone: A Balada da Bailarina Torta

 

A Balada da Bailarina Torta – A Banda Mais Bonita da Cidade
composição: Leo Fressato

Dançava a bailarina torta
Dançava até o sol se pôr
Dançava a bailarina torta
Dançava à procura de um amor

Dançava a bailarina torta
Dançava até o sol se pôr
Dançava a bailarina torta
Bailava à procura de um amor

No beco dos velhos bares
Onde um dia ela já dançou
Antes de entortar as pernas
Antes de perder um grande amor

E a bailarina torta corria atrás
De roupas novas e um copo de champanhe

Nunca mais champanhe
Nunca mais plateia no Municipal
Nunca mais champanhe
Nunca mais baile de carnaval

E a velha bailarina torta
Que bailava em busca de um amor
Entrou, fechou a porta
Deitou e então silenciou

Silenciou…

 

 

Você também pode gostar de ouvir:

Cantiga de dar Tchau | Sobre Canecas e Chá | Solitária

Músicas do Gramofone: Sobre Canecas e Chá

Estou com essa música, “Sobre Canecas e Chá”, ressoando em meus ouvidos e neurônios desde ontem, pois ela é tão bela e tão vigorosa, quanto viciante. Essa é uma composição e uma interpretação magnífica do poeta Leo Fressato. Pra quem não sabe quem é o compositor, dê uma olhada no youtube e procure por “Oração”. Sem mais demoras, apreciem sem moderação!

Sobre Canecas e Chá

Composição: Leo Fressato

Eu não vim falar de amor
nem dizer que o destino
foi quem nos juntou
Eu não prometi cuidar
e nem prometo agora
embora eu vá olhar com ternura
pras tuas crias e pra caneca com chá
não peço pra namorar você riria
e eu morreria sem ar

Eu não vim pedir amor
nem me dei por vencido
cê sabe como é
sou teimoso de dar dó
só vim para dizer
no meu sertão não será só
só vim para dizer
no meu sertão não será só
e vai chover…
e vai chover…

sabe o meu amor é teu
não sei oque aconteceu
nem sei no que vai dar
sabe só quero um beijo teu
e que não diga adeus
pra que eu possa voltar
e eu voltarei

margaridas na mão
venho armado até os dentes
pra roubar seu coração
e coloca-lo rente ao meu
sabe antes de terminar
minha moça eu te digo
você vai ser feliz comigo
mesmo se o mundo acabar
mesmo se o avião cair
mesmo se a chuva alagar aqui
mesmo se agente afogar

E eu não vim falar de amor
nem dizer que o destino
foi quem nos juntou
Eu não prometi cuidar
e nem prometo agora
embora eu vá olhar com ternura
pras tuas crias e pra caneca com chá
não peço pra namorar você riria
e eu morreria