Egoísta

Quero sorrir,
como sorria pequeno.
Quero tirar da boca
o gosto seco do veneno.

Sou corpo de mil almas
em miríade de alucinações,
travando batalha pálida
num coletivo de solidões.

Há dias
que tudo que quero
é não querer nada…
mesmo.

Chorar como cego,
amar como anjo
e fazer drama
até no piscar dos olhos.

 

Thiago Dalleck

 

Você também pode gostar de ler e ouvir
LudovA Nave | Desuso