Gramofone


Não poderíamos ter um blog que fala sobre coisas de um gramofone, sem explicitar a sua origem e uso nos tempos antigos e a evolução do aparelho que sem dúvida alguma foi o ponto de partida para tudo na música moderna.

O precursor do gramofone foi o fonógrafo inventado pelo americano Thomas Edison em 1877. De fato, foi neste aparelho que Edison realizou a primeira gravação sonora de sempre. A máquina consistia num cilindro de cera que rodava, permitindo que uma agulha transmitisse as vibrações mecânicas traduzidas pela superfície impressa do cilindro a um amplificador em forma de cone metálico. A duração da gravação neste cilindros era muito limitada, de tal forma que a utilização inicial deste aparelho, tal com o concebera Edison, era como máquina de ditar em escritórios.

Mais tarde, em 1887, foi inventado, pelo alemão Emile Berliner, o disco plano. Para a sua reprodução, este inventor desenvolveu uma máquina que se designou por gramofone. Com bastante maior duração e capacidade de gravação que o cilindro de Edison, o disco foi utilizado para gravação e reprodução de músicas. Estes discos, impressos com um pista magnética em forma de espiral, eram colocados sobre um prato que girava a uma velocidade de 78 rotações por minuto (só bastante mais tarde se produziram os sistemas de 33 ou de 45 rotações por minuto). A agulha que permitia ler a informação contida no disco, através de vibrações, estava aplicada num braço que se movia ao longo da espiral inscrita na sua superfície. O sistema motor era originalmente mecânico, acionado por uma corda metálica. Por isso os gramofones estavam dotados de uma manivela que permitia esticar as cordas manualmente (um sistema semelhante aos dos relógios da época). Sobre o limite do braço da agulha, num dos cantos da caixa do gramofone encontrava-se um dos seus elementos fundamentais e mais característicos, o amplificador metálico em forma cónica.

O sucesso deste aparelho foi quase imediato e a partir desse momento, grande número de discos foram gravados e difundidos por todo o mundo, garantindo e consolidando a presença e liderança comercial do gramofone. Em simultâneo verifica-se o interesse de vários países na produção deste aparelho, procedendo muitas vezes à reelaboração do sistema base, o que impediu a definição de uma solução estandardizada. É testemunho desta dispersão de processos o gramofone francês que tocava a uma velocidade de 90 rotações por minuto e invertia o sentido de leitura do disco, iniciando no centro e terminando no perímetro.

A partir de 1920 o motor elétrico substituiu o anterior motor de corda e um amplificador eletromagnético destrona o característico e icónico corno, inaugurando uma nova fase para este produto que culminaria, após o período da alta-fidelidade, no processo de gravação e reprodução digital associada às conquistas da alta tecnologia informática.

Sem dúvida alguma, se temos poderosos e potentes emissores de áudio nos dias atuais é em razão da invenção deste aparelho!

Fonte: Infopedia.pt


Volte a página inicial do Blog

3 pensamentos sobre “Gramofone

  1. Gostei muito da matéria, muito interessante e bem escrita. Fiquei com algumas dúvidas (curiosidades) e queria saber se podem me esclarecer. Quanto pesava um gramofone? E um disco de gramofone?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s