À Luz da Escuridão


Havia tempo que eu não parava pra conversar à toa comigo mesma.
Às vezes as vozes gritam tão forte que o silêncio te deixa mais acesa.
Fazia tanto tempo que o sol não desalinhava,
e o vento não pairava, para eu poder ter menos luz e mais clareza.
A vida às vezes é engraçada e descabida,
é no mesmo instante um eco, um gesto e uma rima.
Parece que o que conta não faz mais parte de nada,
a gente se esquece de si, do não e do sim, e até da palavra.
E mergulha numa solidão, num vazio tamanho,
num frio estranho, que a escuridão se mostra uma boa amiga.

 

E aí, o que acharam? Participe, comente e compartilhe!

Você também pode gostar de ler e ouvir:
Juliette Katz | Cor de Borboleta | Amor Brando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s