Medulla


“A poesia é mutante, e tomou forma de rock!” 

Hoje, trazemos uma novidade, encontrada perdida entre os escombros, e cheirando a naftalina. Estávamos fuçando alguns guardados, e de repente em meio ao pó, apareceu uma música, que beira a genialidade, pra não dizer a loucura. O nome da música é Paralelo ao Chão, da Medulla, uma mistura de versos largada e despretensiosa, que brinca com a sonoridade e toma conta de tudo, sem pedir licença.

Acha que exageramos? Então abra os ouvidos e deixe o verso arrombar seus sentidos…

Paralelo ao Chão

Ao ouvir as outras faixas, nos deixamos entregues a poesia solta que se faz notar em cada rima cheia de sentido que esses alucinados imprimem em suas composições. A banda tem como vozes os gêmeos reci­fen­ses Keops e Raoni. Ainda pequenos mudaram-se para São Paulo, depois Rio de Janeiro, vol­ta­ram para Recife e por fim Rio de Janeiro nova­mente, onde for­ma­ram algu­mas ban­das até che­ga­rem a fór­mula do Medulla, que pas­sou a ser com­pleta com a inclusão de Dudu ValleAlan LopesDaniel Martins e o Rodrigo Silva.

Eles fazem um rock que dizem ser contaminado pelo espí­rito de todas essas cida­des pelas quais pas­sa­ram e influenciado pela junção de todas as vertentes  musicais possíveis e inimagináveis.  Quem ousa decifrar essa metamorfose multisonora, normalmente se perde em suas colocações e não sabe se quer definir o seu estilo. Uns dizem ser um rock experimental, outros uma poesia sinfônica ensandecida, e alguns criam novas termologias, sem contudo, realmente contemplar toda a gama de nuances criativas presente em seu som.   Seu pri­meiro disco de 10 can­ções, chamou-se O Fim Da Trégua e foi gra­vado entre Rio e São Paulo. Nesse disco a única faixa não auto­ral da dupla foi a “O Velho”, de auto­ria de Chico Buarque e que, nesse disco, ganhou um som oitentista.

“O Medulla não é a mais nova “salvação do rock” – eles vieram para destruir… e construir tudo de novo em cima dos escombros.” – Edu K

Os caras saíram de uma grande gravadora, em seu primeiro álbum, para apartados das regras mercadológicas, partirem para uma abordagem totalmente independente e voltada para invencionices desfocadas e geniais, que se caracterizam em cada nota tocada de forma perdida e em cada verso desconexo rebatizado por uma rima desforme e sem culpa.

A verdade é que ao ouvir Medulla pela primeira vez, você nota de cara um toque psicodélico que permeia as canções e ao mesmo tempo uma qualidade singular em cada acorde, que se veste com as letras, de um modo tão inspirador quanto intenso. A qualidade de suas músicas é realmente intrigante, e instiga a querer ouvir mais e mais.

“O Medulla mira certeiro seu coquetel molotov na MPB, no rock, no jazz, na música de rua, esvaziando nossos pulmões de ar estagnado, enchendo nossos corações com a certeza de que a música ainda é marginal, ainda importa, ainda nos conecta com o universo, com o infinito; ainda proporciona aquele frio na barriga de quem olha pra dentro do abismo… e sorri, e caçoa.”

A pegada forte deles, com certeza, não está só em suas composições diferentes e interessantes, mas na verdade, nesse “q” de O Rappa, em sua época áurea, nesse “por que” meio “nonsense”, meio “Raimundiano”, e nesse existir quase que desafiador, pois é um “ser” estranho, que não tem muito a ver com nada, que você ouve por aí.

E então, que o ecoar descompassado e fora de ritmo de seu som soe além dos olhos e voe além das claves, emanando a sua inquietação por todo o canto que haja poesia. Em outras palavras, dispa-se do mesmo, aumente o som e deixe o Gramofone em si se libertar:

“Assistir um filme de Spielberg roendo as unhas…”

Prematuro Parto Fórceps

“Se é mesmo a vida que desata os nós…”

Eterno Retorno

“Vem cá ver que o novo é bom…  pode amedrontar-te… atropelar-te…”

O Novo

“… um sonhador que não sonhava…”

Salto Mortal

“Posso pouco, tudo é risco de vida, sem você no corpo é como pingar limão e andar no sol…”

Gosto de Guarda Chuva

E aí o que achou? Participe, comente e compartilhe!

 

Você também pode gostar de ler ou ouvir:

Marcelo Jeneci | Maglore | Sobre Canecas e Chá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s