Músicas do Gramofone – I’m your puppet

Eu Sou Seu Fantoche – Gregory And the Hawk

Eu sou seu fantoche
Eu vou aprender a amar isso
E eu vou me despir
Se você precisar
Mas por favor, não precise
Se você precisar
Eu irei gritar
Teça um segredo
Eu irei varrê-lo
Para de baixo do carpete
Onde você o guardará
o quão doentio é isso?
Eu queria valer alguma coisa
Para você
Reveja meus desejos
Por um clima justo
Pois eu sei que nas nuvens, com chuva ou com neve
Você não estará
O quão doentio é isso?
Eu queria valer alguma coisa
para você
Você também pode gostar de ler e ouvir:
Anúncios

Metric

 

Pra quem não conhece, esses quatro formam o Metric, uma banda de Indie Rock, com base no Canadá, que fazem um som bem experimental. Sua música é intensa e altamente viciante. Liderados pela voz calorosa e o jeito carismático de Emily Haines, o Metric teve seu trabalho reconhecido em 2009, com o álbum Fantasies. 

Esse ano, em junho, está previsto o lançamento de “Synthetica”, o quarto álbum da banda, que promete ser tão interessante quanto o último, que teve vários singles, incluindo temas de filmes e remixes.

Aumente o som e deixe o Gramofone ecoar, na versão acústica de Gold Guns Girls:

Essa é uma das mais lindas, onde a voz de Emily se mostra com todo o vigor. Give me Sympathy é maravilhosa:

E pra finalizar Blindness:

Gostou? Participe dando sua opinião e compartilhando com os amigos e conhecidos.

Você também pode gostar de ouvir:

Igor de Carvalho | Maricel IorisIngrid Michaelson

Cambriana

Uma surpresa interessante e de uma qualidade absurdamente rara. A Cambriana surgiu, meio que de uma parceria entre dois amigos, Wanderson Meirelles e Luís Calil, sendo que as músicas do EP House of Tolerance, foram todas produzidas e mixadas em casa ou através de contatos pela internet, uma vez que Wanderson, morava em Brasília.

Radicados em Goiânia, a Cambriana é formada por mais três integrantes, sendo eles: Rafael Morihisa, Israel Santiago e Carol Steinkopf, que se desdobraram para produzir um álbum como poucos.

O interessante é que mesmo assim, feito meio que nas horas vagas, seu som não deve em nada para outras bandas gringas, uma vez que eles compõem basicamente em inglês, o que leva a uma fatídica pergunta: “Sério mesmo que isso é brasileiro?”. Existem momentos que você jura estar escutando algo bem familiar,  mas ao mesmo tempo, você tem certeza que é algo realmente diferente e espetacular.

O estilo da Cambriana é basicamente o Indie Rock, passeando por vertentes claras de um pop experimental interessantíssimo.

Chega de papo, e pra que você mesmo possa tirar suas devidas conclusões, separamos algumas canções para ecoar Gramofone à fora.

Aumente o som e deixe os acordes te levarem pelo som competentíssimo desses goianos, com Big Fish:

Sad Facts é algo transbordante, em musicalidade, sonoridade e qualidade, sendo, sem dúvida alguma, uma das melhores:

E essa é Astray, numa ótima versão ao vivo, captada na Ambiente Skate Shop, em Goiânia, há menos de um mês atrás:

Com certeza, o som da Cambriana é de uma força impar e irá ecoar bastante por todos os cantos, pois talento essa turma tem de sobra!

E aí? O que achou? Participe, comente e compartilhe!

Você também pode gostar de ler ou ouvir:

Marcelo Jeneci | Maglore | Sobre Canecas e Chá