O Marimbondo


Moribundo o marimbondo,
picou o seu sentido.
Seu segundo me deixou tonto,
meio que se diluindo.
Esse mundo é um velho conto,
que canta o que não tem vez.
Oriundo de outros escombros,
que lança à insensatez.

Moribundo o marimbondo,
pingou o céu vertido.
Seu rotundo sol em seu ombro,
leio, o que não foi vendido.
Esse mundo é um velho estrondo,
que encanta os olhos que fez.
Tão fecundo os nossos pontos,
que dança a embriaguez.

Você também pode gostar de ler:

Hidrocor | Distante Infância | Feliz Idade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s