Balada da Moça Amante


A moça tinha no leito
O corpo de madrugadas
e auroras interditadas.
E sob os olhos fechados,
premidos, em contrição,
encenações de pecados
faziam gestos de chão…
Os silêncios que passavam
beijavam luas partidas
que a moça tinha nas mãos.
E as confissões encerradas
nos lábios da moça amante
tinham raízes plantadas
no coração dos instantes.
No tempo havia mensagens,
Na noite desejos vãos,
nos abismos liquefeitos,
vazios, sem remissão…
E a moça jazia insone,
indiferente a futuros.
Seus dedos executavam
a sinfonia dos muros,
suas mãos jogavam pedras
em preconceitos escuros…
E as visões pressentidas
de cavalgadas estranhas
anunciaram a chegada
de gritos rasgando entranhas.
Eram as visões impossíveis,
há milênios invocadas.
As patas de mil centauros
despedaçando as estradas,
a avalanche dos medos
nas encostas escarpadas.
E a moça galgou distâncias
nas asas da escuridão.
Suas mãos cavaram fontes,
furaram a imensidão…
Das convulsões…. proclamadas…
nas reticências do leito,
brotaram lírios desfeitos,
abortos de solidão…


José Cabral Filho

Você também pode gostar de ler:

Humano | Quer um Presente? | Elucubrações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s