Poesia Reversa


 

Cara palavra, que me agonia,
agonizando suas letras e sílabas
em meus sussurros imaginários
em minhas desajustadas linhas

Seu rosto é o oposto de meus dias
aliterando suas rusgas e rugas
rogando seus urros contrários
em minha tão desgastada companhia

Cada palavra, que me desalinha
também me altera o ritmo, a rima
em meus contextos momentâneos
em sua tão desarrumada ironia

Seu gosto é posto em alegoria
já vem o verso fazendo das suas
soando seus êxitos espontâneos
em minha desencaminhada,
despenteada,
desacreditada,
desavergonhada poesia.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s