Engraçado Assim

Pensei em escrever algo mais rítmico,
Em rimar umas frases inteligentes.
Imaginei que uma crônica seria legal
Depois de deixar meus pensamentos
passearem até mesmo pelo solo musical.
Eu queria algum assunto.

Desejei algo bem interessante, com aquelas frases de encher os olhos.
Poderia até ser algo engraçado assim…
Não cheguei a nenhum resultado que não fossem lamentações.
Consegui uma página cheia de meus próprios infortúnios.
Admirei o discorrer da minha infelicidade
E completei ao final com meu nome tristemente rabiscado.

 

A Companhia do Silêncio

O Gramofone em suas andanças pela lua, trouxe uma novidade desconhecida do grande público, que se revelou na verdade algo tão instigante, quanto surpreendente. Quiet Company é realmente desafiador! Sabe quando você ouve algo que lhe parece familiar, que lembra coisas que você já ouviu, mas ao mesmo tempo te dá aquela impressão estranha que está desvendando um novo mundo diferenciado e cheio de nuances inusitadas em cores vivas e reinvenções sonoras? Alguns desavisados podem querer comparar e dizer: Ah! É a versão americana do Los Hermanos! Pode parecer em um primeiro momento, porque a maioria dos integrantes usam barbas e tem um estilo musical  similar, não que parecer com eles seja algo depreciativo, longe disso, Marcelo Camelo e seu bando tem seu valor e a sua qualidade nunca serão discutidas, mas eu afirmo que é “outra coisa”, é “outro caminho” totalmente diferente, é “um outro jeito” de fazer.

Quiet Company é um som raro de se ouvir por aí por sua forma orgânica, instintiva e ao mesmo tempo intensa, que te leva para lugares de sua alma, que você nem mesmo sabia existir! Músicas impregnadas de poesia e envenenadas de sonoridades revisitadas de um modo tão perturbador e verdadeiramente genial. Quem ouve pela primeira vez, não consegue mais parar de ouvir!

Separamos algumas músicas para que você possa conhecer um pouco dessa banda:

On Modern Men

How do You do It?

We are All Where We Belong

We Change Lives

Gostou? Então, conseguimos com exclusividade uma coletânea com 6 músicas da banda que pode ser baixada através deste link.

Quem está aí?

Em um canto escuro de mim mesmo
tateava procurando algum resto de verdade
No entanto tudo em mim era um erro
um nada rodeando um coração que não bate
De repente ouço o soar de algumas palavras
e uma luz dispersa, perdida, quase fraca
Não me contive, eu confesso
Quem está ai?
Sou apenas eu, reclamou o verso!
No que respondi:
sem tirar nem por,
faça-me o favor,
de ir de vagar…
com as suas divagações.

Músicas do Gramofone: Ritmo e Poesia da Menina Feia

Boa noite, bom dia e boa tarde! Por que começo essa postagem assim?

Por que em algum lugar do mundo é noite, dia ou tarde, oras!

Então, hoje trazemos para o deleite de vocês algo muito bom, que nos foi indicado por uma conhecida nossa e que realmente tem bom gosto! A princípio agente estranha um pouco o nome, não é mesmo? “Nô Stopa”, pois bem, esse é o nome artístico de uma raridade artística e musical, filha do compositor Zé Geraldo, Nô é também Atriz e Dançarina, desenvolvendo um trabalho intenso com teatro de bonecos, sendo que já participou de várias peças e atividades envolvendo o público infantil ao longo da carreira. Apesar de aparecer agora para a grande mídia, Nô Stopa iniciou sua carreira musical em 1998, em um CD chamado “O Novo Amanhece”, onde Zé Geraldo e Renato Teixeira, abriram espaço para os filhos, Chico Teixeira (filho de Renato) e Nô Stopa (filha de Zé Geraldo), sendo que nesse projeto Nô compôs duas faixas, mas a verdadeira materialização de um sonho da cantora, aquele de entrar para um estúdio e gravar o seu primeiro CD, só veio a acontecer em 2004, com o lançamento do CD independente “Camomila e Distorção”, lançado por um selo próprio chamado “Sol do Meio Dia”. Em 2010, Nô muito mais amadurecida musicalmente, lançou seu segundo trabalho, em parceria com o produtor  Érico Theobaldo e que chama-se Novo Prático Coração, um álbum recheado de coisas boas e onde está presente a música que escolhemos pra tocar agora no Gramofone: “Ritmo e Poesia da Menina Feia”.

Lembrando que você pode comentar as músicas e indicar novidades pelo nosso msn gramofonelunar@live.com e todas as músicas indicadas no blog, podem ser encontradas para audição na Radio Lunar.

Sem mais conversas, vamos logo ao que interessa e tire as suas próprias conclusões:

Ritmo e Poesia da Menina Feia – Nô Stopa

Composição: Wesley Noog/Nô Stopa

Hoje eu quero mais do que de costume
me refazer no perfume
despetalar meu ciúme, me distrair
porque sou a mistura de caos e jardim
porque sou amena, porque sou ruim
porque não consigo me olhar no espelho
eu sou espectro e fico vermelho
isso eu sei, é errado, isso é pecado
não permita que eu seja castigado
me perdoa meus apegos e minha falta de auto-estima
eu sou desprotegida porque sou menina
ninguém pode me ver… chorar

vou chorar escondida, quero a máscara mais bonita
quero ganhar a fita, meu diário que o diga
prefiro uma amiga pra me dar os braços,
pra mostrar os passos, pra me dar ardis

quero um sapato alto
e quero pelo menos um espelho mais feliz.