Versinho da Tarde

Muito papel e pouca ideia
Era tudo o que eu tinha naquela tarde
Me pareciam vagos os pensamentos
Alinhados na pauta imaginária daquela composição.

Gostasse ou não de sol, ele estava ali.
Gostasse ou não de versos, eu não os tinha.

Procurando uma cura eficaz para esse lapso de inspiração,
Puz-me a praguejar.
Foi então que observei as folhas secas a cair na passagem
E me vi
Seca, caindo então
Sem a pompa e o verdejante fulgor da inspiração solar
Faltava-me energia
Faltava-me uma história que não fosse triste para poder contar.

Sons da Alma

Era uma moça. Não era só uma vez. Era poetiza aquela menina, de cabelos soltos aoo vento; de olhos vivos, vívidos e espertos; de mãos talentosas que davam forma a seus pensamentos. Ela crescia e engrandecia a melodia de seus versos, sonhava e fazia com que sonhassem. Encontrava o ritmo de uma história nas brisas mais irrelevantes.

O lugar ela mudou, só não mudou o coração de lugar. Um mundo tão grande, que lhe faltavam as palavra para descrever. Não era em falta de inspiração, mas em falta de tempo que se lhe roubavam os contos dantes pensados. Trabalho tão duro para aquelas mãos tão pequenas e talentosas. Outros talentos tiveram que ser desenvolvidos. Papel e tinta ficaram para depois.

As páginas do livro de sua vida foram passando. Amores viveram e morreram; músicas começaram e terminaram; três filhos foram compostos. Nem todas as histórias puderam ser contadas por suas mãos. O tempo corria veloz.
Muitos dos sonhos haviam morrido, levando fatias de seu coração. Embora o que ela quisesse ouvir fosse a voz macia e penetrante da inspiração, pelas noites o que ocorria eram sonetos infantes à procura do afago talentoso daquelas mãos.

Através do amor, transmitiu também inspiração, e talvez, uma porção de habilidade àqueles pequeninos. Suas mãos deixaram de escrever por algum tempo, mas sua mente não se desviou da capacidade de criar e reconhecer a arte.

Ao seu primogênito, juntamente com os nutrientes da vida, fez-lhe em herança o bom trato com as palavras, a destreza com a melodia.

Ao infante fez homem o tempo, e à habilidade seu ofício. Vivia de palavras, vivia da escrita, de por em papel esses sons que lhe saltavam ao coração.

Você também pode gostar de ler:

Cambriana | Holger | Grave Leve

Novas Músicas do Paramore Ainda esse Ano!

Então, falar dessa Banda é falar de talento na extrema expressão da palavra. Se não conhece o trabalho deles vou logo avisando cuidado para não viciar literalmente na voz da vocalista e nem nos acordes e letras que brincam com o nosso sentido, tanto nas versões ao vivo espelhadas pelo youtube, quando Hayley canta apenas acompanhada por violões ou nas oficiais e mais recentes onde o peso dos instrumentos se encaixam tão absurdamente com a encantadora presença de palco dessa vocalista que é sem dúvida alguma uma das principais responsáveis pelo grupo ter chegado onde está.

O mais interessante é que estão vindo novidades para os seus admiradores,  é que o trio (a banda teve o número de componentes diminuído em razão da saída dos irmãos Farro) através de seu site oficial, anunciou que irá lançar até o fim do ano novas músicas que fazem parte de um repertório gravado em março e que não foi totalmente aproveitado. Hayley disse: “Nós estamos alertando a todos os que tem amado os vídeos da nossa curta volta pela Warped Tour neste verão. Respondemos a um monte de perguntas sobre a música de abertura e de onde ela veio, e estamos felizes em dizer que é uma nova música intitulada ‘Renegade’.”  A vocalista continua: “Lá em março, nós gravamos uma porção de músicas (incluindo Monster) com Rob Cavallo, que nos prometeu que divulgaríamos pra vocês ainda este ano. ‘Renegade’ será a primeira entre as três que estão para serem lançadas.”

Pra você que ainda não ouviu a música segue aí a nova canção:

Se não conhecia e quer saber mais, o Gramofone desencavou uma lista de reprodução do início da carreira que compila os maiores sucessos. Olha aí:

 

Fontes: MTV Brasil, Paramore.net e Youtube

 

Tesouro Valioso

“I’ve always liked being the centre of attention, yes” (Eu sempre gostei de ser o centro das atenções, sim), ela ri.

  Não é difícil reconhecer o talento de Adele Laurie Blue Adkins.  Nomeada em 2008 pela BRIT Awards como “artista revelação”, Adele vem mostrando a que veio. Dominou as paradas de sucesso dos E.U.A. e da sua terra natal em 2009 com o single “Rolling In The Deep”, sem falar no sucesso do seu álbum “21”, lançado em janeiro de 2011, que alcançou o 1º lugar em mais de 7 nações.

  Amante de poesia e do bom Jazz, já tendo declarado que suas músicas são inspiradas em suas decepções amorosas, nos faz subentender que inteligente é aquele que transforma as pedras do caminho em tesouros valiosos.

  Merecidos os créditos, merecido o reconhecimento. O Gramofone não poderia deixar de soar um pouco do muito que é Adele: